Sex. Fev 23rd, 2024

A Coinbase, a maior plataforma de compra de criptomoedas dos Estados Unidos, entrou com um pedido à Securities and Exchange Commission (SEC) para se tornar uma empresa cotada publicamente através de uma cotação directa (e não de uma oferta pública inicial). Aqui está o que precisa de saber.

A Coinbase é uma plataforma de compra de criptomoedas com sede em São Francisco que abriu as suas portas pela primeira vez em 2012. Fundada por Brian Armstrong e Fred Ersham, a plataforma tem agora mais de 56 milhões de utilizadores em todo o mundo e já transaccionou mais de 456 mil milhões de dólares até à data – por cada pedido S-1 junto da SEC.

A história até agora

Em 28 de Janeiro, a empresa anunciou formalmente os seus planos de se tornar pública através de uma cotação directa no Nasdaq, “de acordo com uma proposta de cotação directa das suas acções ordinárias de Classe A”. Isto confirmou rumores de um relatório da Reuters surgido em Julho do ano passado, que afirmava que a empresa estava interessada em ser admitida à cotação na bolsa.

Inicialmente, acreditava-se que a Coinbase iria angariar capital através de uma oferta pública inicial (IPO); um processo que envolve a criação de novas acções e o recurso à ajuda de subscritores – geralmente bancos – para ajudar a promovê-las e comercializá-las junto de potenciais investidores. Em vez disso, a Coinbase decidiu prosseguir uma cotação directa, também conhecida por oferta pública directa (OPD), o que significa essencialmente cortar os intermediários e vender apenas acções já existentes. Não serão criadas novas acções.

Há três vantagens distintas desta via em relação a uma OPV:

É muito mais barato: As empresas que já têm uma forte presença no mercado não necessitam necessariamente da ajuda de subscritores. Um OPD reduz drasticamente os custos de se tornar público.

As acções existentes não são diluídas: Como as novas acções não são criadas durante a cotação directa, isso significa que as acções existentes de colaboradores e investidores não correm o risco de se diluírem quando a empresa se torna pública. A diluição é onde as acções recém-criadas entram no mercado e fazem baixar o preço das acções existentes.

É muito mais rápido: Ao cortar os intermediários, há muito menos obstáculos regulamentares a ultrapassar antes de se tornar público, incluindo a apresentação de contratos de subscritores com a SEC.

No final de 2020, a Coinbase apresentou documentos preliminares à SEC, assinalando o início de um processo de cotação pública.

A 25 de Fevereiro, o formulário S-1 da Coinbase foi oficialmente publicado pela SEC. Citigroup, Goldman Sachs e JP Morgan Securities estavam entre os bancos escolhidos pela Coinbase para a ajudar no processo de listagem.

Na sequência da chamada de rendimentos trimestrais a 6 de Abril, Coinbase afirmou que os seus utilizadores com transacções mensais cresceram 117% trimestre a trimestre, ajudando-a a assegurar um rendimento líquido de 800 milhões de dólares desde o início de 2021.

Sob que símbolo as acções da Coinbase irão ser transaccionadas?

As acções da classe A da Coinbase irão estrear-se no Mercado Global Select Nasdaq sob o ticker COIN.

Quando é que as acções da Coinbase COIN serão cotadas?

A Coinbase anunciou a 1 de Abril que as acções de COIN estarão disponíveis para compra na bolsa Nasdaq a partir de 14 de Abril.

Quem poderá comprar acções de COIN da Coinbase?

Uma vez que as acções COIN serão listadas na bolsa Nasdaq, significa que qualquer pessoa que tenha uma conta com uma corretora que negoceie em acções dos EUA poderá comprar acções COIN. Da mesma forma, os investidores também poderão adquirir acções COIN em qualquer aplicação de negociação móvel que liste acções da Nasdaq Global Select Market.

A 17 de Março, a Coinbase publicou um formulário S-1a emendado que declara que a empresa planeia emitir 114.850.796 acções ordinárias de Classe A por um preço total de $943.218.155.

Fonte.